O que é o ELSI-Brasil

O envelhecimento da população é um fenômeno global. O aumento da expectativa de vida no Brasil, assim como no resto do mundo, é devido a melhorias das condições socioeconômicas, ambientais e tecnológicas, assim como ao sucesso de intervenções da Saúde Pública. Essas melhoras levam a outros desafios, quais sejam, a promoção do envelhecimento ativo e a garantia da atenção à saúde da população idosa, que apresenta maior demanda por atenção à saúde.

O ELSI-Brasil (Estudo Longitudinal de Saúde dos Idosos Brasileiros) é uma pesquisa longitudinal, de base domiciliar, conduzida em amostra nacional representativa de adultos mais velhos. A pesquisa tem por objetivo examinar os determinantes sociais e biológicos do envelhecimento e suas consequências para o indivíduo e a sociedade. O estudo é coordenado pela Fundação Oswaldo Cruz – Minas Gerais (FIOCRUZ-MG) e pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). A linha de base da coorte foi financiada pelo Ministério da Saúde e pelo Ministério da Ciência e Tecnologia, Inovações e Comunicação. O inquérito da linha de base do ELSI-Brasil foi conduzido em amostra de cerca de 10.000 indivíduos com idade igual ou superior a 50 anos, residentes em 70 municípios situados em diferentes regiões do país. Novas ondas estão previstas de tempos em tempos.

O estudo adota metodologia semelhante à de outros estudos longitudinais ao redor do mundo, possibilitando comparações internacionais. Os resultados da pesquisa produzirão informações estratégicas, com o potencial de subsidiar o Ministério da Saúde na elaboração de políticas para a promoção do envelhecimento ativo e para melhorar a qualidade da atenção à saúde às pessoas nas idades mais velhas.

Uma descrição sucinta do ELSI-Brasil foi publicada na revista The American Journal of Epidemiology 1, no ano de 2018.

 

__________________

1 Lima-Costa MF, de Andrade FB, de Souza PRB, Neri AL, de Oliveira Duarte YA,
Castro-Costa E, de Oliveira C. The Brazilian Longitudinal Study of Aging (ELSI-BRAZIL): Objectives and Design. Am J Epidemiol. 2018 Jan 31. doi: 10.1093/aje/kwx387. [Epub ahead of print]